Zikagames - Início Ir para conteúdo
keyboard_arrow_down
account_circle Entrar

Entrar



  • Não recomendado para computadores públicos


  • Esqueceu sua senha?

person_add Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''que''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Anúncios e novidades
    • Regras
    • Anúncios
    • Entre para a equipe Zikagames!
  • Eventos Exclusivos - Zikagames
    • Membro do mês - Zikagames!
    • Sorteios Zikagames!
    • Outros eventos
  • Parceiros da Zikagames!
    • TZN SHOW!
    • Athens Graphics - DISCORD
  • Espaço do usuário
    • Apresente-se para a Zikagames!
    • Tutoriais Zikagames
    • Suporte ao usuário
    • Sugestões/Reclamações
  • FPS Zone
    • Fortnite
    • PUBG
    • CS:GO
    • Apex Legends
    • CrossFire
    • Rainbow Six
    • Outros FPS games
    • Lixeira
  • RPG/MOBA zone
    • League of Legends
    • Tibia
    • World of Warcraft
    • WYD
    • Ragnarok
    • Grand Theft Auto - GTA
    • Red Dead Redemption 2
    • Outros RPGs/MOBA em geral
    • Lixeira
  • Plataformas
    • Xbox
    • Playstation
    • iOS/Android/Portáteis
    • Retrô/Emuladores
    • Lixeira
  • Design Zone
    • Galeria DesignZone
    • Tutoriais DesignZone
    • Recursos DesignZone
    • Pedidos DesignZone
    • Suporte DesignZone
    • Bate-papo DesignZone
    • Lixeira
  • Info ZONE
    • Softwares
    • Hardwares
    • Delphi
    • Visual Basic
    • C / C++
    • JAVA
    • Javascript
    • Desenvolvimento web
    • Criações InfoZone
    • Lixeira
  • Comércio ZikaGames
    • Promoções
    • Cupons
    • Doação/Venda/Troca entre usuários
    • Bate-papo (COMÉRCIO ZG)
    • Lixeira
  • Diversos
    • Bate-papo geral
    • Entrevistas
    • Trackers
    • Análises e Reviews
    • Notícias e Novidades
    • Músicas/Vídeos
    • Lixeira

Categorias

  • ANÚNCIOS & EVENTOS
    • Eventos Zikagames
    • Tutoriais Zikagames
  • FPS ZONE - Compartilhe seu vídeo!
    • Fortnite
    • PUBG
    • CS:GO
    • Apex Legends
    • Rainbow Six
    • Outros FPS games
  • RPG/MOBA ZONE - Compartilhe seu vídeo!
    • League of Legends
    • Grand Theft Auto - GTA
    • Ragnarok
    • Outros RPGs/MOBA em geral
  • DESIGN ZONE - Compartilhe seu vídeo!

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre


Discord


Instagram


Facebook


Twitter


Youtube

Encontrado 36 registros

  1. Poop Senders - Site que envia fezes anonimamente Acredite ou não, existe um site que você paga para enviarem fezes de animais diversos, para quem você quiser. As fezes de animais disponíveis para enviar são: Vaca Elefante Gorila O intuito do site, é para enviar para o seguinte público: - Para o seu ex - Os animais de seu vizinho que defeca em seu gramado - Para o seu chefe malvado - Para um vendedor ou mecânico que te enganou - Um presente de última hora para alguém que tem tudo - Um presente de zoeira - Para aquele amigo rico e alegre - Para o professor que deu ao seu filho / filha uma nota baixa - Alguém deixou uma crítica negativa ou feedback - Você simplesmente não gosta deles Os preços variam de 17.95 dólares até 44.95 dólares (no "combo pack"). Você tem duas opções de envio: Quart ou Gallon. Nesse site, eles garantem que o envio é 100% anônimo. Não é necessário preencher algo com informações pessoais, caso você queira enviar para alguém. O site está em serviço desde 2007! Bizarro, não é? Quer saber mais sobre eles? clique aqui. Créditos: @Maeve- Texto, imagem, formatação & Informações.
  2. O celular Android requer alguns cuidados importantes para garantir segurança e funcionamento pleno. Presente em 85,9% dos smartphones no mundo segundo levantamento da IDC, o sistema operacional do Google dá liberdade para o usuário baixar apps de qualquer lugar, expandir o armazenamento e até explorar pastas internas do dispositivo. No entanto, é preciso ter precaução ao aproveitar essa flexibilidade. Veja, a seguir, sete coisas que você não deve fazer no telefone para evitar problemas. 1. Apagar pastas importantes Ao navegar no gerenciador de arquivos do celular, é importante ter cuidado para não apagar pastas de aplicativos e do sistema. O sistema operacional está protegido contra esse tipo de interferência se você não fez root no smartphone, mas alguns diretórios de aplicativos podem ser modificados pelo usuário e, com isso, prejudicar seu funcionamento. A menos que saiba muito bem o que está fazendo, não exclua nada que esteja fora da pasta Download, Documentos e de fotos (DCIM). 2. Baixar apps de fora da Google Play Baixar aplicativos fora da Google Play pode comprometer seriamente a segurança do celular. Apps com APK disponibilizado em lojas alternativas podem conter modificações para camuflar vírus e outros códigos maliciosos perigosos, abrindo caminho para hackers roubarem dados pessoais, por exemplo. Além disso, apps que não passam no crivo do Google podem não funcionar corretamente, prejudicando o desempenho do smartphone no dia a dia. Em todo caso, prefira sempre fazer download na Play Store. 3. Ficar sem antivírus Se você não se sente seguro para avaliar possíveis tentativas de golpe na internet, um bom antivírus para Android pode ajudar. Antivírus não costumam ter muita utilidade para usuários que tomam cuidado para não baixar apps perigosos ou clicar em links suspeitos. No entanto, os mais desatentos podem precisar lançar mão de um aplicativo de segurança para melhorar a proteção. Apps antivírus, vale lembrar, não só bloqueiam malware baixado no celular, mas também alertam sobre potencial ataque de phishing via SMS e e-mail. 4. Ignorar atualizações de software Não ignore a notificação que avisa quando uma nova versão do software está disponível: assim que o alerta surgir na tela, conecte no Wi-Fi, ligue o aparelho no carregador e execute o procedimento o quanto antes. Além de novas funções, atualizações do Android trazem melhorias importantes de segurança que devem ser implementadas no sistema o mais rápido possível, diminuindo as chances de seu celular ser alvo de ataques de hackers que buscam explorar vulnerabilidade conhecidas. 5. Deixar apps desatualizados Atualizações de aplicativos também costumam trazer correções de bugs de segurança e, por isso, não devem ser ignoradas. É importante ter atenção principalmente com apps bancários e outros que lidam com informações financeiras, já uma vulnerabilidade nesse tipo de programa pode significar perda de informações sensíveis. No entanto, em alguns casos, até apps aparentemente inofensivos como o WhatsApp podem ter falhas sérias. Por via das dúvidas, deixe o Google Play configurado para atualizar tudo automaticamente sempre que o celular estiver no Wi-Fi e conectado a uma fonte de energia. 6. Limpar memória com frequência Aplicativos disponíveis no Google Play que prometem melhorar o desempenho do celular podem mais atrapalhar do que ajudar se não forem usados com parcimônia. Esses apps geralmente trabalham com limpeza de memória, um artifício que pode dar a impressão imediata de aumento de velocidade, mas, na prática, tende a prejudicar o sistema. Com memória sempre limpa, o celular tem mais trabalho para carregar o Facebook e demais apps usados frequentemente, aumentando o consumo de energia e outros recursos do aparelho. A recomendação, é somente lançar mão de limpadores em último caso. 7. Usar cartão microSD de baixa qualidade Vários celulares Android permitem expandir a memória com cartão microSD, mas o acessório pode trazer prejuízo se não tiver as especificações ideais. Cartões de memória de baixo custo podem reduzir drasticamente a velocidade de operação do smartphone e até corromper dados, apagando fotos e vídeos importantes armazenados ali. A dica é usar cartões novos de pelo menos Classe 10, que entregam boa performance para a maioria dos telefones. Quanto mais potente for o celular, melhor deverá ser o acessório: se você tem um Galaxy S10 ou outro equivalente, opte por microSD de classe UHS 1 ou UHS 3. Créditos IDC e TechTudo!
  3. O que são MMOs, MMORPGs e quais as diferenças entre eles Não são eles a mesma coisa? Como diferencia-los? O que é um MMO? MMO é uma sigla em inglês para "Massively Multiplayer Online", ou seja, um jogo com uma grande quantidade de jogadores que jogam ao mesmo tempo. Não se joga apenas contra uma ou um grupo de pessoas, como nos MOBAs, mas contra milhares, as vezes milhões de pessoas ao mesmo tempo! Calma, isso não significa PVP generalizado, a menos que você queira, são simplesmente diversas pessoas jogando simultaneamente no mesmo servidor, seja lá o que for... Nesses parâmetros podemos classificar vários jogos como MMOs, até mesmo Minecraft online! Explicarei um pouco mais sobre isso quando falar sobre os MMORPGs. O que é um MMORPG? MMORPG é uma sigla em inglês para "Massively Multiplayer Online Role-Playing Game", também conhecido como VÁRIOS CARAS ONLINE FINGINDO SEREM GAROTINHAS, assim como os MMOs, também são jogados com/contra milhares de jogadores ao mesmo tempo. Alguns podem dizer que todos os MMORPGs são jogos com características de fantasia/medieval, realmente a maioria dos MMORPGs abrange essas características de raças fantasiosas e monstros mitológicos; porém, muitos deles tem características totalmente diferentes dessas que nós vem a mente de imediato, como planetas alienígenas ou mundos pós-apocalípticos. Quais as diferenças entre eles? Um jogo pode ser MMO? Sim. Um jogo pode ser apenas MMO? Não. "'Como assim?" você pode me perguntar, bom, existem jogos que são MMOs e jogos que não, mas nenhum jogo é só MMO. Falar que joga um MMO é o mesmo dizer que jogar um jogo online de modo geral, é ai que os MMORPGs entram, esses jogos são um subgênero dentro dos MMOs, eles juntam as características de jogos de interpretação de papéis em um mundo que possa ser jogado simultaneamente por um grande número de pessoas. Basicamente, todos os MMORPGs são MMOs, mas nem todos os MMOs são MMORPGs. Subgêneros dentro dos MMOs Existem mais subgêneros do que os MMORPGs? Como identificar qual estou jogando? ACREDITE, na rodinha nerd isso pode te prevenir um momento embaraçoso, falar que você joga um "MMO" pode virar motivo de piada entre os gaymers. MMORTS MMORTS, sigla para Massively Multiplayer Online Real-Time Strategy. São jogos de estratégia, como StarCraft e Age of Empires. MMOFPS MMOFPS, sigla para Massively Multiplayer Online First-Person Shooter. São jogos de tiro em primeira pessoa, como Firefall e Planetside 2. MMO Racing São jogos de corrida, como Need for Speed World e The Crew. Obrigado quem leu até o final! Até a próxima.
  4. Independente se você começou a jogar Red Dead Redemption 2 ontem ou já completou a historia 5 vezes: Vale a pena conferir quais são as melhores armas do jogo, como as consegui-las e quais suas vantagens. Tanto pra quem quer completar 100% do jogo, tanto pra quem quer uma ajudinha pra concluir a historia e não precisar dar 10 tiros para matar com a clássica Pistola de Vaqueiro do jogo. *Fique tranquilo como um esquilo, essas dicas não te darão SPOILERS ====================================================================================== AS MELHORES ARMAS NORMAIS: Corpo a Corpo: Nessa o machado Tomahawk é a melhor opção. Lembre-se de quando usa-lo, recolhe-lo novamente. Revolver: Uma das armas que você mais usa nesse lindo jogo, o que leva a melhor na questão dos revolver's é o Schofield. Um revolver que é sem duvidas a melhor opção de inicio de game, custando 84$ num armeiro, com boas taxas de tiro, dano e munições "baratas". Pistolas: Aqui preciso ficar dividido entre duas pistolas: Pistola Volcanic, que dá um dano absurdo e custa 150$ e a Pistola semi-auto, que vence na velocidade de tiros e recarga. Rifle: Como melhor rifle, precisamos citar o Lichefield, custando 145$ com boas taxas de tiro, ótimo dano e recarga espetacular Escopeta: Em termo de escopeta, você não quer mirar de longe e nem ser ficar em silencio. As escopetas são ótimas a curta distancia, porém deixam a desejar em longa. A melhor que temos para ser comprada, é sem duvidas a Escopeta de Repetição (Repeating Shotgun). Rifle de Precisão: Como melhor Rifle de Precisão (Sniper) citamos o Rifle Carcano. Boa mira, bom dano, boa recarga, boa cadencia. A melhor arma para longa distancia. Pode ser comprado após o capitulo I em qualquer armeiro. ========================================================================================= AS MELHORES ARMAS LENDÁRIAS: Midnight's Pistol Em uma missão secundaria sobre 4 Pistoleiros, você recebera uma foto de Billy Midnight e, ao inspecionar, marcará sua localização: Rhodes, em um trem. Após o duelo, você conseguirá sua pistola - A melhor Pistola Lendária. Flaco's Revolver Também na mesma missão sobre os pistoleiros, você recebe uma imagem de Flaco, e ao ir atrás dele e duelar, receberá o Revolver. Sem duvidas, o melhor Revolver Lendário do game. CRÉDITOS NotyPunch (Texto, Dicas, Formatação) MeuPS4 (Imagens)
  5. É possível aprender a pronúncia de expressões em inglês com a extensão Speech para Chrome. Com download gratuito pela Chrome Web Store, a ferramenta reproduz o áudio de textos escritos em inglês, e ainda permite configurar a velocidade, o volume e o gênero da voz que emitirá as palavras para o usuário. A dica é ideal para estudantes do idioma e para pessoas que desejam tirar dúvidas sobre como pronunciar corretamente frases, textos e palavras em inglês. Saiba como instalar e usar a extensão Speech para aprender a pronunciar corretamente expressões em inglês no tutorial a seguir. Passo 1. Acesse a página de download da extensão e pressione o botão "Usar no Chrome"; Passo 2. Selecione "Adicionar extensão" para que a ferramenta seja instalada no Chrome; Passo 3. Assinale o ícone da extensão no canto superior direito da janela do Chrome; Passo 4. Pressione o botão "Settings" para visualizar as opções da extensão; Passo 5. Use os botões deslizantes para definir a tonalidade da voz, a altura do áudio e a velocidade do ditado. Assinale o avatar correspondente para ouvir uma voz masculina ou feminina durante a pronúncia do idioma; Passo 6. Escreva ou cole o texto na caixa de texto da extensão e pressione o ícone "Play" (na cor verde) para ouvir a pronúncia correta. Aproveite a dica para praticar a pronúncia correta de frases e palavras em inglês usando o Chrome. Créditos ao TechTudo!
  6. Nem a Riot Games perdoa spoilers de Vingadores Ultimato. Um jogador de League of Legends teve sua conta suspensa por três dias após soltar spoilers do filme durante uma partida do MOBA. Com o lançamento do último filme do universo cinematográfico da Marvel, os spoilers se tornaram ainda mais perigosos. Por mais que este não seja um item em específico do código de conduta do game, o suporte da empresa foi ativado para lidar com um jogador que contou detalhes do longa-metragem durante um partida. Como pode ser lido nas imagens abaixo, o caso foi respondido pelo responsável por comportamento de jogadores, o rioter Jarvan IV Jungle, que concordou com a denúncia, afirmando que "comentar sobre o filme com pessoas que ainda não o viram não é legal". "Nosso código de conduta e termos de uso não terão listas com cada um dos comportamentos que podem levar a uma punição e vamos intervir em contas que estão estragando a experiência dos outros". A notícia gerou um tópico próprio no Reddit oficial do game, no qual muitos demonstraram concordar com a penalização não usual.
  7. ryzen

    Bom, esse evento foi decidido hoje no Discord e decidimos fazer. É muito simples para participar: Basta pensar alguma frase que descreva a ZikaGames na sua opinião. Deve ser uma frase curta, lembre-se que ela será utilizada como nosso slogan, portanto, ela ficaria junto com o nosso logo no fórum e em nossas mídias sociais. Seja criativo, inovações trocadilhos são bem-vindos! Regras Não serão aceitas frases com conteúdo ofensivo, logo, Cuidado com o vocabulário ; NÃO É PERMITIDO O MEMBRO EDITAR O POSTS após sua postagem, isso ocasiona na eliminação do evento ; Em caso de frases repetidas, a primeira postagem que será considerada ; Para participar do evento, basta postar neste tópico a sua frase ; Após o término do evento, iremos abrir um tópico com as melhores frases para votação, lembrando que a Equipe ZikaGames tem um peso maior na escolha do vencedor; Premiação: o vencedor será premiado com 30 posts no fórum (novas premiações podem ser adicionadas, fique ligado!) Datas O evento foi iniciado no dia: 26/04/19 ; O evento será encerrado no dia 10/05/19 ; O vencedor será divulgado no dia 17/05/19 ; Bom evento para todos! Qualquer dúvida entrem em contato comigo!
  8. Quem quiser ir colocando algumas charadas aqui, vamos ver quem acerta! Vou lançar a primeira já Podem ir dando palpite quando quiserem 1) O que matamos todos os dias, mas nunca somos presos?
  9. Ultimamente, quando foi lançada a 8ª temporada de Game of Thornes, esse assunto surgiu muito forte! Muita gente ama GOT, mas uma boa parte odeia a série! Compartilhe com a gente, para você, qual a melhor série?
  10. O Brasil está cada vez mais forte no cenário dos esporte eletrônicos, e já presenciou carreiras de jogadores de sucesso com direito a conquistas internacionais. Personalidades como Matheus “Mylon” Borges de League of Legends (LoL), Thomas "Brolynho" Proença de Street Fighter V e Raphael "cogu" Camargo de Counter-Strike, foram marcantes para o quadro competitivo do país, e deixaram um legado em suas respectivas modalidades. Veja, a seguir, cinco pro players brasileiros que já se aposentaram dos esports. Thomas "Brolynho" Proença Thomas "Brolynho" Proença é um dos principais nomes do cenário competitivo de Street Fighter. Grande destaque em diversas competições internacionais, o jogador passou a ser o brasileiro mais bem classificado no ranking global da Capcom Pro Tour desde o lançamento de Street Fighter V. Com títulos marcantes na carreira, como o Lima Salty 4 (2017) e o Never Give Up 2017, Brolynho se consagrou como um dos principais representantes brasileiros na modalidade. O jogador chegou a conquistar o 25º lugar na Evolution Championship Series (EVO), a melhor posição de um brasileiro no competitivo de Street Fighter. Após anunciar sua aposentadoria em março de 2019, o ex-pro player passou a integrar a organização do circuito Fight in Rio. O evento faz parte do calendário do Capcom Pro Tour e é destaque no cenário de jogos de luta do Brasil e da América Latina. Raphael "cogu" Camargo Um dos membros da antiga line up da MIBR, o jogador Raphael "Cogu" Camargo foi destaque no cenário competitivo de CS 1.6. O ex-pro player já venceu títulos importantes, como DreamHack Winter 2007, Intel Extreme Masters America 2008 e Electronic Sports World Cup 2006. Passando também por competições de Counter-Strike Source e CS:GO, Cogu chegou a atuar por equipes como paiN Gaming, Immortals, YeaH! Gaming e INTZ. O competidor chegou a ser eleito o melhor jogador das Américas no CS 1.6, segundo ranking do site HLTV. Ele ainda alcançou o posto de jogador da década entre 2000 e 2010, e conquistou o terceiro lugar entre os melhores do mundo. Após dar um tempo da carreira de pro player, Cogu passou a atuar como treinador da equipe da VNS Sushi Rão, onde permanece desde 2018. Matheus “Mylon” Borges Conhecido no cenário competitivo de League of Legends, Matheus “Mylon” Borges iniciou sua carreira em torneios de League of Legends em 2011, aos 14 anos, em 2011. Um ano depois, na segunda temporada de LoL, o jogador atou pela equipe da vTI Ignis, onde conquistou o primeiro campeonato brasileiro do game. Passando por atuações na Keyd, Keyd Stars e paiN Gaming, o jogador acumula três títulos nacionais, três vice-campeonatos e diversas participações em fases finais dos torneios que disputou. O jogador é considerado um dos melhores top laners da história do competitivo nacional. Após anunciar sua aposentadoria em 2017, o ex-pro player disse se dedicaria a fazer streams e estudar para o vestibular. Bruno "ellllll" Ono Ex-membro da antiga equipe da MIBR, o jogador Bruno "ellllll" Ono também foi destaque em torneios de CS 1.6. Entre as vitórias marcantes da carreira do jogador estão os torneios IEM V American Championship Finals, shgOpen 2007 e a Electronic Sports World Cup 2006. Com cerca de 15 anos de atuação no cenário de esports, o jogador já passou por equipes como ProGaming e-Sports, RevoltZ e-Sports Club, compLexity Gaming e g3nerationX. Em 2018, o competidor abandonou a carreira de pro player para see coach. Desde então, Bruno comandou as equipes da Virtue Gaming e Team Wild, conquistando títulos como a Gamers Club Masters 2018, Liga Profissional Alienware Gamers Club 2018, e AMD Red League LATAM South Finals - Season 2. Em fevereiro de 2019, Ono assumiu o posto de treinador do time da paiN Gaming. Gabriel "Turtle" Peixoto Gabriel “Turtle” Peixoto atuou profissionalmente por oito equipes do cenário brasileiro de League of Legends. Iniciando sua trajetória em 2014, pela extinta Team awp, o jogador fez história com ótimas atuações em equipes como Keyd Stars, ProGaming e INTZ. Em 2016, o pro player conquistou segundo lugar do CBLoL defendendo a camisa da Stars. Em 2018, após boas atuações no quadro competitivo de League of Legends, o jogador resolveu abandonar a carreira de pro player. No fim do mesmo ano, Turtle decidiu trocar os teclados e monitores da CNBpara se tornar treinador estratégico dos Blumers. Via Counter Strike Liquipedia, LoL Gamepedia e LoL Esports BR
  11. Pirate Bay

    Galera, post rápido só para saber que jogos voces compraria se uma loja estive vendendo jogo ?
  12. As promessas dos jogos em nuvem são interessantes demais para serem ignoradas No mês de março, o Google revelou ao mundo o Stadia, o seu serviço de games por streaming que roda sobre a plataforma de computação em nuvem da empresa, o Google Cloud. A tecnologia chega com a promessa de tornar os consoles de videogames como conhecemos hoje obsoletos, mas o serviço realmente entrega o que promete? O Olhar Digital teve a oportunidade de testar durante o Google Cloud Next, evento realizado em San Francisco. Antes de tudo, o que é um serviço de games por streaming? Para quem não está familiar com o conceito, trata-se de um sistema que depende da internet para rodar um jogo: você envia os seus comandos com um controle por meio da rede para um servidor remoto, que processa suas ordens e transmite a imagem do game para a sua televisão, computador, tablet ou celular. Na prática, o console físico é removido da equação, permitindo que qualquer aparelho conectado à internet possa ser usado para jogar. Eu estava bastante cético com este conceito, para ser bastante honesto. A questão da latência sempre me intrigou; afinal de contas, não importa se sua conexão tem 200 Mbps: se o servidor ficar muito longe da sua casa, o tempo que o comando leva para chegar ao datacenter, ser processado e a imagem ser transmitida para a sua televisão pode inviabilizar os games mais rápidos, que dependem de maior agilidade. Se o atraso for muito grande, apenas jogos de combate por turno seriam viáveis. Meu tempo com o Stadia serviu para amenizar um pouco estas minhas preocupações. Tive a oportunidade de experimentar o jogo “Assassin’s Creed Odyssey” exibido em uma televisão a um Chromebook por meio de uma porta HDMI. O game não é dos mais frenéticos, mas, mesmo assim, não senti um atraso significativo entre o pressionar de um botão e sua reação na tela. Também não há muito o que ser dito em relação à qualidade de gráficos. O Google diz que a largura de banda recomendada para o Stadia é de 25 Mbps para alcançar uma imagem estável de resolução 1080p com 60 quadros por segundo com folga, e esse limite foi superado com alguma tranquilidade com o setup que era disponibilizado naquele momento. O fato de que o Google é um dos grandes líderes na tecnologia de compressão de vídeo graças ao YouTube também faz com que a qualidade gráfica exibida durante os testes estivesse em seu máximo. Uma coisa que, infelizmente, não foi possível testar foi o controle do Stadia. Quando você está acessando a plataforma por um computador, como o Chromebook que estávamos usando, você pode usar qualquer controle USB, e o que nos foi oferecido para os testes era, inclusive, bastante simplório, infelizmente. Teria sido interessante pegar no controle específico do Stadia, projetado para conectar-se diretamente aos servidores do Google por meio de Wi-Fi, em vez de ligar-se a algum dispositivo por Bluetooth. Conclusão Minha reação com o Stadia pode ser descrita como uma decepção, não por falta de qualidade, mas pela expectativa. Quando coloquei as mãos no controle, senti que estava jogando em um console comum; sem engasgos, sem buffering, sem atraso... nada além de um controle na minha mão e um jogo rodando na tela. E, obviamente, este é o objetivo do Google com o Stadia: reduzir ao máximo o atrito para que o jogador sequer lembre que está jogando via streaming, sem um console físico conectado à TV. Vale notar, no entanto, que a experiência de jogo foi consideravelmente otimizada pelo fato de eu estar em um ambiente completamente controlado pelo Google: a conexão era excelente e a distância para os servidores era a mínima possível, já que o Vale do Silício é bem servido de data centers do Google Cloud, então infraestrutura não era um problema. Esses são desafios que definirão se o Stadia poderá ser bem-sucedido fora de um ambiente controlado, em países onde a penetração de fibra óptica não é tão ampla assim (como é o caso do Brasil). No entanto, pelo menos por enquanto, a tecnologia apresentada me deixou otimista. Os pontos positivos estão todos aí: a redução do custo de entrada, já que não é necessário adquirir um console caro para rodar os jogos, e a possibilidade de jogar qualquer jogo a qualquer momento em qualquer dispositivo, são vantagens claras dos games por meio do streaming. Agora resta ver se o Google conseguirá lidar bem com as dificuldades técnicas que um projeto do tipo invariavelmente terá. Créditos totais ao OlharDigital pelo conteúdo!
  13. O Instagram investe em novas ferramentas com frequência, como a função Checkout para compras, parcerias com Spotify e Deezer e o popular adesivo de perguntas. Porém, apesar das atualizações do aplicativo, a rede social de fotos não conta com diversas funcionalidades cobradas por usuários. Por exemplo, não há recurso nativo para baixar fotos e vídeos, e nem para passar despercebido do histórico de visualização de Stories. Há, ainda, funções presentes no app para iPhone (iOS) e Android que não estão disponíveis no Instagram web para desktop. Confira na lista a seguir algumas funções que faltam no Instagram, e alternativas para trazê-las para a rede social de foto. 1. Compartilhar posts no feed Uma das funções mais pedidas pelos usuários do aplicativo é o Repost. Equivalente ao retuíte e compartilhar, do Twitter e Facebook, o Instagram não possui meios próprios para o compartilhamento de posts de outros usuários no feed. A opção mais parecida já existente no app é o repost nos stories. Há diversos aplicativos e programas terceiros criados com essa finalidade. Ao compartilhar posts no feed com essas ferramentas, as imagens são marcadas como "repostada" por um ícone de duas setas formando um círculo. É possível usar apps de repost no Android, como InstaRepost e Regrann, ou Repostly e Repost Quick for Instagrampara iPhone. 2. Baixar fotos e Stories Diferentemente da maioria das redes sociais de fotos, o Instagram não tem ferramentas para download de fotos e Stories de outros usuários. Ao postar um conteúdo próprio, o aplicativo automaticamente armazena a foto em seu dispositivo, porém salvar fotos de terceiros é um pouco mais complicado. Então, é necessário recorrer a programas para conseguir realizar a função. Por exemplo, a extensão Chrome IG Story dá ao navegador do Google a opção de baixar Stories. Também é possível explorar funções próprias do celular, como a captura de tela, para salvar fotos do feed ou do Instagram Stories. 3. Ver Stories anonimamente O Instagram Stories fornece ao usuário um histórico de visualização dos Stories por até 24 horas. O aplicativo não permite assistir a Stories anonimamente, porém existem algumas opções para navegar de forma "fantasma". Entre os aplicativos idealizados para essa finalidade está o Story Ghost, para iPhone, e o Anonymous Stories Viewer for Instagram, para Android. 4. Colocar mais de um link na bio O Instagram permite inserir apenas um link na bio na lacuna "site", mas o Linktree ajuda quem deseja fornecer mais de um endereço para perfis de outras redes sociais, por exemplo. A plataforma permite customizar uma página na web com uma lista de URLs escolhidas pelo próprio usuário. Então basta o usuário inserir na bio do Instagram o link do seu portal no Linktree para que seguidores acessem seus outros sites. 5. Inserir quebra de linha Personalizar legendas no Instagram não é uma tarefa fácil, considerando que o aplicativo não permite inserir quebras de linhas organicamente. Por isso, usuário utilizam diversas ferramentas para trazer a função para a rede social de foto. Textos escritos pelo blocos de notas do celular mantêm a formatação após ser copiado e colado para o Instagram, seja em campos de legenda de fotos ou de comentários de posts de outros usuários. Aplicativos como o Teclado SwiftKey e o Evernote também podem ser úteis para personalização. 6. Postar foto pelo PC O Instagram web não possui algumas funções da versão mobile da rede social. A publicação de fotos, recurso mais importante da plataforma, está ausente nos navegadores. No entanto, é possível recorrer a atalhos e truques no browser. Uma dessas formas é por meio de uma função nativa do Google Chrome, que permite simular um navegador mobile diretamente no desktop. O processo ocorre sem a necessidade de instalar programas ou extensões no PC. 7. Ver Direct do Instagram pelo PC O Instagram não permite que seus usuários enviem e recebam direct diretamente pelo navegador. Apesar de a função existir no app para celular, para acessar a funcionalidade na web é necessário burlar o sistema da rede com a utilização de aplicativos. O aplicativo IG:dmpermite enviar e receber mensagens do direct pelo PC, além de dar acesso a conversas antigas, iniciar novos bate-papos e até descobrir contas que não seguem de volta seu perfil. Créditos ao TechTudo!
  14. São 40 CURSOS totalmente gratuitos apenas hoje! Vale a pena conferir, já selecionei o meu, e vocês? Deixe o like no tópico para conferir o conteúdo! [Conteúdo Oculto] Créditos pela lista desconhecido. Crédito pelo compartilhamento Ryzen e @dalsin9807
  15. Vou começar a postar umas perguntas pra bate papo hehe Afinal, o que você faria se achasse R$ 50 na rua?
  16. A indústria de games no PC tem sido tema de calorosas discussões desde que a Epic Games Store chegou ao mercado e começou a anunciar a exclusividade de alguns jogos, que não estão saindo na Steam, a atual "dona" desse mercado nos computadores. E entre grandes títulos AAA sendo anunciados para a plataforma da criadora de Fortnite e rumores colocarem mais lenha nessa fogueira, uma pessoa com propriedade resolveu dar sua opinião sobre o assunto: Richard Geldreich, ex-funcionário da Valve. Após Tim Sweeney, o comandante da Epic Games, fazer uma publicação falando sobre as acusações de que a sua loja é um "spyware", Richard Geldreich respondeu dizendo que a plataforma está fazendo um trabalho significativo e, na sequência, relacionou a situação com a Steam. De acordo com o ex-funcionário da Valve, comparar a Epic Games Store com um "spyware" é insano e, segundo ele, a Steam pega grandes quantidades de dados de seus usuários e não sofre com as mesmas acusações. Geldreich também comentou sobre o impacto da chegada da loja da Epic Games no mercado e disse que a concorrência é saudável para o mercado. "Steam estava matando a indústria de games no PC", disse o ex-desenvolvedor da Valve, referindo-se a taxa imposta pela plataforma para a publicação de jogos. "Se não fosse a Epic, a indústria inteira estaria se esforçando para pagar os 30% da Valve". "Se não fosse a Epic, toda a industria estaria se esforçando pra pagar os 30% à Valve" - Richard Geldreich Enquanto a Steam cobra cerca de 30% dos lucros com o game para manutenção de sua plataforma, sem contar despesas como royalties do motor gráfico, a Epic Games oferece um valor mais amigável para os desenvolvedores: uma fatia de apenas 12%, que também inclui as taxas de uso da Unreal Engine 4 para jogos feitos com a tecnologia. Além de defender os valores praticados pela Epic, que dão mais recursos para os desenvolvedores, Richard Geldreich também defendeu os polêmicos contratos de exclusividade feitos pela dona de Fortnite. Segundo o desenvolvedor, os lançamentos do tipo representam "um negócio melhor" que o oferecido pela Steam e garante mais renda para os estúdios trabalharem em novos games. "A inconveniência de instalar um novo cliente vale a pena", completou o ex-empregado da Valve. Em meio a toda essa polêmica, vale lembrar, também, que outras lojas estão surgindo para oferecer ainda mais competição nos computadores. Além de empresas como a Bethesda estarem investindo cada vez mais em plataformas de distribuição próprias para evitar taxas de publicação, o serviço de comunicação Discord anunciou uma loja de games que dá 90% dos lucros para os desenvolvedores. Créditos a Adrenaline e ao bililus!
  17. A Nokia marcou a geração dos anos 2000 com celulares famosos no Brasil. Um dos aparelhos mais lembrados até hoje é o Nokia 3310, conhecido por ser "indestrutível", oferecer boa autonomia, e que chegou a ganhar um relançamento em 2017. Outros modelos também se tornaram clássicos e foram fenômenos de venda, sejam no estilo flip ou barra, como o Nokia 1100 e o 6101, que permanecem na memória dos consumidores até hoje. A empresa finlandesa encerrou as atividades em 2014, mas voltou a atuar em 2017, como uma divisão da HMD Global, oferecendo smartphones modernos e adequados aos dias atuais, com sistema Android. Para relembrar os tempos de sucesso da Nokia no mercado brasileiro, o TechTudo reuniu dez celulares famosos da marca lançados nos anos 2000. 1. Nokia 3310 (2000) Lançado no ano 2000, o Nokia 3310 marcou a geração de celulares do estilo barra e é lembrado até hoje com nostalgia. O aparelho foi um dos mais famosos modelos a permitir uma maior interação do usuário. Ele disponibilizava um menu organizado e permitia enviar mensagens SMS, adicionar até 250 contatos na agenda, realizar conferências, inserir papel de parede, usar músicas como toque monofônico, além de trazer o clássico “jogo da cobrinha”. Até hoje, o celular é lembrado na Internet pela sua robustez e resistência a quedas, sendo alvo de memes como um “celular indestrutível”. Em 2017, momento em que a Nokia voltava ao mercado mundial, o 3310 ganhou uma versão repaginada e mais moderna, com direito à câmera de 2 MP, acesso à Internet, Bluetooth e dual SIM. 2. Nokia 1100 (2002) O Nokia 1100 foi lançado em 2002 e também possuía display monocromático, mas com textos em preto e branco e uma iluminação com luz âmbar, modernizando a experiência. Sua bateria também era um dos maiores atrativos: a carga aguentava até 380 horas de autonomia — quase 16 dias sem precisar carregar o celular. O aparelho era vendido com capinhas coloridas, teclado de silicone e possuía leve proteção contra poeira. Um item que chamava a atenção era uma lanterna localizada no topo do celular, o que lhe garantiu o apelido de “lanterninha”. Na época, chegou a ser o celular mais vendido do Brasil. 3. Nokia 6820 (2003) O Nokia 6820 chegou ao mercado em 2003 e causou curiosidade devido ao seu design ultramoderno: o pequeno teclado físico, de teclas alfanuméricas, se desdobrava por cima do aparelho e se transformava em um teclado QWERTY. Outro item tecnológico era o joystick de cinco posições, que ajudava na navegação da tela colorida de 128 x 128 pixels. A câmera permitia gravar vídeos e capturar imagens em modo noturno — os conteúdos eram salvos na memória interna de 3,5 MB. O celular podia se comunicar por meio de transferência de dados via Internet EDGE, Bluetooth e infravermelho. 4. Nokia 6101 (2005) O Nokia 6101 inovou ao permitir tirar selfies em 2005, época em que esse tipo de foto ainda não era comum. Com o celular fechado, era possível ver as imagens da câmera VGA no pequeno visor externo e, assim, capturar autorretratos. A tela secundária também permitia ver diversas informações sem precisar abrir o aparelho, como o nome de quem estava ligando, alertas de novas mensagens, um plano de fundo colorido, além de níveis de sinal e bateria. O modelo foi um dos celulares flip mais famosos da Nokia, com um elegante design em preto e prata, além de uma antena aparente. 5. Nokia 6111 (2005) Este modelo apostava em um formato slider, deslizante, em que era preciso subir a tela para que o teclado alfanumérico surgisse — a tela possuía resolução de 128 x 160 pixels, com 252 mil cores. A câmera era considerada potente para a época, com 1 megapixel, flash de LED, zoom digital de 6x e capacidade para gravar vídeos de até uma hora de duração e streaming. O celular oferecia suporte para toques em mp3 e mp4, além de download de temas estilizados. A bateria tinha autonomia para ficar até 10 dias em modo de espera. 6. Nokia N70 (2005) O Nokia N70 chamava a atenção pelo design moderno associado ao formato de barra considerado robusto. O aparelho também ficou famoso pela grande capacidade de memória interna: 22 MB com suporte para cartão de mais 64 MB, permitindo salvar imagens, músicas no player mp3, mensagens multimídia, videoclipes e apps. Além da câmera traseira, de 2 megapixels, o modelo apresentava um sensor VGA frontal. O celular usava sistema Symbian, o que permitia a utilização de aplicativos Java, melhores gráficos e a possibilidade de baixar jogos modernos. 7. Nokia N90 (2005) Também lançado em 2005, o Nokia N90 inaugurou uma nova forma de utilizar a câmera em celulares flip: o celular possuía uma tela giratória em 90º, com travamento em quatro modos, permitindo capturar fotos em ângulos diferenciados. A câmera possuía 2 megapixels, resolução de 1600 x 1200 pixels, flash integrado, zoom digital de 20x e função autofoco. Também era possível acessar um editor de foto e vídeo e compartilhar as imagens na Web. O celular permitia baixar e ouvir músicas em mp3, usar apps em Java e transmitir arquivos por Bluetooth. 8. Nokia N95 (2006) O poderoso Nokia N95 chegou ao mercado em 2006 trazendo uma câmera de 5 megapixels com lente Carl Zeiss, equivalente às câmeras digitais vendidas na época. O sensor permitia gravar vídeos com qualidade de DVD, de até 30 fps. O design prateado possuía formado deslizante, em que era preciso subir a tela para acessar o teclado alfanumérico, ou descê-lo para abrir os controles multimídia. A parte traseira possuía uma cor mais escura, o que deixava o aparelho ainda mais parecido com uma câmera. O celular vinha com um menu que permitia baixar músicas e vídeos por conexão 3G, acessar e-mails, navegação por GPS, além de 160 MB de memória interna. 9. Nokia 5200 (2006) O Nokia 5200 possuía um design único, feito em plástico branco com detalhes que podiam ser vermelhos ou azuis, famoso entre jovens e adolescentes da época. O aparelho oferecia uma câmera VGA, bastante modesta se comparada a outros celulares do mercado. Apesar disso, era possível gravar vídeos, reproduzir músicas em mp3, acessar a Internet e aumentar a memória por meio de cartão microSD. 10. Nokia C3 (2010) Já em 2010, o Nokia C3 foi lançado como celular de baixo custo e sistema operacional próprio. Com um teclado QWERTY e tela e 2,4 polegadas, o C3 suportava conexão Wi-Fi e permitia acessar sites, redes sociais, e-mails, acessar streaming e fazer downloads. Sua câmera de 2 megapixels possuía zoom digital de 4x e configurações de luz. Créditos ao Nokia Museum
  18. Os cartões de crédito virtuais, assim como digitais, estão cada vez mais populares no Brasil. Empresas como Nubank, Itaú e Banco do Brasil já apostam na tecnologia, que promete transações online mais seguras aos usuários. No entanto, como a solução é recente no país, é normal que o público tenha dúvidas sobre o seu funcionamento e vantagens oferecidas. Para ajudar, o TechTudo responde a seguir as principais dúvidas sobre os cartões virtuais. Vale lembrar que os serviços funcionam em aplicativos disponíveis para celulares Android e iPhone(iOS). 1. Quais bancos oferecem o cartão virtual no Brasil? Os cartões virtuais ainda são uma novidade no Brasil, introduzidos recentemente como produtos das instituições financeiras e, por isso, não são todos os bancos que oferecem o serviço. Entre as empresas que já trabalham com cartão virtuais estão o Nubank, Itaú, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco (para correntistas com cartão de crédito Elo), Santander e PayPal. 2. O que é um cartão de crédito virtual? De forma geral, o cartão de crédito virtual é uma forma mais segura de realizar transações na Internet. O serviço pode ser solicitado por meio do aplicativo de sua instituição bancária, desde que ela ofereça a tecnologia. O diferencial do cartão virtual para o cartão físico é a sua numeração temporária de identificação e do código de segurança. Ao gerá-lo, o usuário tem uma janela de tempo específica para utilizá-lo, o que aumenta sua segurança contra golpes em ambientes online. Após expirar, o cartão virtual não poderá ser usado novamente e, caso o usuário queira realizar uma nova compra online por meio do serviço, deverá solicitar um novo cartão virtual. Vale destacar que o serviço não substitui a versão física e só pode ser usado para efetuar pagamentos online. Cada banco oferece diferentes funcionalidades e normas atreladas ao uso do cartão virtual. No Banco Itaú, por exemplo, o cartão virtual vale por 48 horas depois de gerado e só pode ser utilizado para uma compra única. Seu limite e fatura são os mesmos do cartão físico ao qual está vinculado. Além disso, ele pode ser usado para realizar compras em sites brasileiros e do exterior. A instituição também não recomenda que o usuário utilize o cartão virtual para compras que exijam uma posterior apresentação do mesmo para leitura de tarja ou identificação (como geralmente ocorre na compra de ingressos). Também não é recomendado utilizar o cartão para a compra de serviços de assinatura, pois como ele serve para uma compra única, não será possível apresentá-lo ou renovar pagamentos. No Banco do Brasil, o usuário também gera o cartão virtual por meio do próprio aplicativo do banco. Seu uso, no entanto, é um pouco mais flexível: é possível escolher o limite do cartão (desde que não ultrapasse o limite do cartão físico), por quanto tempo ele ficará ativo, quantas transações poderão ser feitas e qual o valor máximo para cada uma delas. Também é permitido habilitar o cartão virtual para compras no exterior e as transações são lançadas na fatura do cartão principal. O usuário pode desativar o cartão quando desejar. Diferente das instituições tradicionais, o Nubank oferece um modelo diferente de cartão virtual. Por considerar a geração de números temporários para os cartões virtuais uma prática burocrática, o banco optou por oferecer uma versão do produto com número fixo, porém diferente do cartão físico. Na prática, caso um cliente do Nubank queira solicitar um cartão virtual, ele receberá um segundo cartão de crédito dentro do aplicativo do banco, com número diferente do físico, mas que estará vinculado a ele em questões de limite e fatura. Assim, caso o cliente tenha que cancelar seu cartão físico por algum motivo, terá a sua versão virtual para realizar suas compras. Também é possível deixá-lo cadastrado em serviços de assinatura ou sites de compras, por exemplo, já que seu número não é temporário. 3. Como gerar um cartão virtual? Antes de tudo, para gerar o cartão virtual é preciso verificar se a instituição bancária escolhida oferece o serviço. Caso ela ofereça, o usuário precisa ser titular de um cartão de crédito digital ou físico dessa mesma instituição. Na maioria dos casos, não é preciso estar com o cartão físico em mãos para gerar o seu número do virtual. O processo para solicitá-lo pode variar entre os bancos, mas, de maneira geral, se resume aos seguintes passos: acessar o aplicativo oficial do banco desejado, solicitar a criação de um cartão virtual, escolher o cartão de crédito físico ao qual o virtual estará vinculado, utilizar a senha do cartão físico para concluir a geração do novo cartão e receber o seu número temporário para realizar compras online. Para utilizar o cartão virtual gerado não é preciso desbloqueá-lo. Assim que ele estiver disponível, o usuário pode realizar suas transações online. 4. Quais as diferenças entre o cartão digital e o cartão virtual? É comum achar que cartão digital e cartão virtual são a mesma coisa, mas os produtos têm características e objetivos diferentes. O cartão virtual não existe fisicamente e, na maioria dos casos, é descartável, devido à sua numeração temporária. Ele só pode ser usado para um número específico de compras em ambiente online, o que, em tese, aumenta a segurança do usuário nesse tipo de situação. O cartão digital é assim chamado pelo processo de abertura da conta de crédito, que é feita integralmente de forma online, em ambiente digital, mas que resulta em um cartão físico para uso. Sua principal peculiaridade é a facilidade com que pode ser contratado pelo usuário, que não precisa se locomover até as agências bancárias para solicitá-lo. Todas as ações relacionadas com o cartão também podem ser resolvidas ou consultadas por meio de aplicativos. A contratação de cartões digitais não cobra anuidade, o que fez com que o produto se tornasse uma febre nos últimos anos, principalmente entre o público jovem – como foi o caso do Nubank, precursor do cartão digital no Brasil em 2015. 5. Como são pagas as faturas do cartão virtual? Como dito anteriormente, o usuário obrigatoriamente deve possuir um cartão de crédito físico para gerar um cartão virtual. Portanto, as cobranças do cartão virtual virão junto com a fatura do cartão físico, que geralmente são enviadas via correspondência ou disponibilizadas nos sites e aplicativos dos bancos. Em alguns casos, como no do Banco Itaú, a identificação das compras com cartão virtual é feita por meio do símbolo “@” na fatura do cartão de crédito principal. O usuário pode pagá-las como quiser, por meio do site ou aplicativo do banco ou em agências bancárias. Créditos ao TechTudo!
  19. E você? Se identificou com algum? Venha compartilhar com a zikagames! Os primeiros anos do século XXI foram cheios de inovações e mudanças importantes para o mundo da tecnologia. A internet cresceu, os computadores se tornaram mais potentes e novos acessórios surgiram ou se popularizaram. No Brasil, muitas pessoas passaram a ter acesso ao universo digital, tanto em casa quanto nas lan houses. Os PCs dos anos 2000 eram bem diferentes dos atuais, e não apenas com relação a sistema operacional e programas. Confira a seguir seis itens que eram indispensáveis para os computadores da época. 1. Webcam Em uma época sem smartphones para fazer chamadas de vídeo, se você quisesse ter uma videoconferência, precisaria de uma webcam. A pequena câmera de resolução duvidosa costumava ficar em cima ou ao lado do monitor, apontando para o rosto do usuário. O acessório, que transmitia imagens via internet, ficou especialmente popular com a inclusão de chamadas de vídeo no MSN Messenger e em bate-papos online. Era muito comum perguntas como “tem cam?” em conversas por aí. Também era possível aproveitar e tirar umas fotos em frente ao computador para postar no Orkut, já que nem todo mundo tinha uma câmera digital. Havia webcams de diversas cores e formatos, com diferentes níveis de qualidade. O dispositivo passou a ser vendido por grandes marcas e se espalhou ao longo dos anos 2000, mas o primeiro modelo foi lançado em 1994: a QuickCam, feita pela Connectix Corporation, que captava imagens em 320 x 240 pixels com 16 tons de cinza. 2. Leitor de CDs e DVDs Nos anos 2000, um computador sem a capacidade de ler e gravar CDs tinha pouca utilidade. CD-Rs e CD-RWs eram necessários para visualizar arquivos de música, por exemplo, ou abrir e salvar dados. Enquanto os disquetes saíam de cena e os pen drives começavam a surgir, o CD era o protagonista em termos de armazenamento móvel. Os DVDs, com maior espaço disponível, também estavam lá. Era possível inclusive ouvir o barulho que o leitor ou gravador fazia quando um disco era inserido – em caso de problema, esse ruído podia inclusive ser uma forma de perceber. A ascensão de alguns dispositivos e serviços, porém, foi reduzindo cada vez mais o uso dos discos compactos. Com o compartilhamento de músicas em MP3 na web, os CDs se tornaram obsoletos e uma indústria inteira precisou se reformular. O mesmo caminho seguiu o DVD, a partir da popularização dos filmes e séries online. Quanto à função de armazenamento, os discos foram substituídos por pen drives, mais práticos e com maior capacidade, além dos serviços na nuvem, um pouco mais tarde. 3. Entrada para disquete Os disquetes já estavam caindo em desuso na década passada, mas muitos computadores ainda eram vendidos com um leitor para eles. Crianças e adolescentes de hoje talvez nem conheçam o antigo método de armazenamento de dados portátil na forma de um quadrado de plástico. Criado nos anos 1970, o disquete teve várias versões ao longo do tempo, mas o último modelo comum foi o de 3,5 polegadas. Cabiam 1,44 MB em cada um deles, tamanho inferior a um único arquivo de música atual, por exemplo. Mas há alguns anos, essa capacidade era suficiente para algumas pessoas guardarem documentos e fotos. Além disso, muitas usuários possuíam um acervo de disquetes dos anos 1990, inclusive para a instalação de programas e jogos. Com frequência, esses softwares vinham divididos em vários disquetes, já que um só não dava conta do volume total de informações. 4. Modem de Internet discada Conectar-se à Internet antes da banda larga era uma tarefa que exigia um pouco de habilidade e muita paciência. Para acessar a rede, era necessário ter uma linha telefônica, que ficava indisponível durante o uso, um provedor pago e um modem. Esse componente, responsável por codificar e decodificar os dados em sinais de áudio, costumava vir instalado dentro do computador, mas nem por isso passava despercebido. Quando o usuário abria o programa do provedor e iniciava a conexão, a máquina fazia o característico barulho de discagem que ficou marcado até hoje nos ouvidos de quem viveu aquela época. A velocidade da navegação ficava muito abaixo dos padrões atuais, mas era normal esperar minutos para carregar uma página mais pesada ou até horas para baixar um álbum de música. Felizmente, a banda larga cresceu bastante durante a década e, em 2006, ultrapassou a Internet discada no Brasil. 5. Mouse com bolinha Outro item que estava desaparecendo, mas ainda marcava presença em muitos computadores pessoais, era o mouse com esfera. Se hoje o mouse óptico, com um feixe de luz de LED como sensor de movimentos, é o padrão, antigamente havia uma bola emborrachada que fazia esse papel. Conforme o usuário movia o periférico, a esfera rolava e mexia duas rodinhas, uma no eixo vertical e outra no horizontal. Elas então traduziam o deslocamento em coordenadas para o cursor na tela. A bolinha de dentro do mouse exigia alguns cuidados de vez em quando. Exposta ao ambiente externo, ela acumulava sujeira e gordura. Portanto, quando o acessório começava a falhar, era necessário abrir e fazer uma limpeza. Para nosso alívio, esse trabalho todo acabou quando o mouse óptico apareceu e dominou o mercado de informática. 6. Caixinhas de som Hoje não é mais tão comum usar o alto-falante do computador por muito tempo. Para escutar música alta ou assistir a um filme, por exemplo, há formas melhores de fazer isso, como usar uma caixa de som portátil ou uma TV com bom sistema de áudio. Quando é preciso escutar algo na máquina, existe uma fonte de som embutida, discreta, principalmente no caso dos notebooks. Mas nos anos 2000 era muito comum ter duas caixinhas de som em cima da mesa do computador, posicionadas uma de cada lado do monitor. Elas eram conectadas ao gabinete por plugues P2 e também possuíam entrada para fones de ouvido e microfone. Em geral, essas caixinhas não costumavam ter um som muito bom. Créditos ao techtudo!
  20. Todo mundo usa um idioma para se comunicar com outras pessoas. Porém, alguns termos são muito específicos para algumas situações ou assuntos, como as terminologias de computadores. Se você quer aprender sobre redes de computadores, é importante entender a linguagem que você vai acabar encontrando. E, para isso, não existe assunto melhor para começar do que saber o que é Localhost. O que significa Localhost? Em redes de computadores, Localhost se refere ao computador que está executando um programa. O computador funciona como se fosse um servidor virtual. Neste mesmo sentido, o computador não é um objeto físico, mas sim um sistema que roda internamente. Se ficar difícil de entender, considere o Localhost como uma maneira de “chamar” como sendo o seu computador no contexto de redes. 127.0.0.1 Localhost / Endereço de Loopback O Localhost não é apenas um termo, mas também pode ser um nome de domínio, como google.com.br ou wikipedia.org. É um endereço. Se digitar google.com.br em um navegador redireciona você para a página principal do Google, aonde o Localhost leva você? Para o seu próprio computador! Essa situação também é conhecida como um endereço loopback. Sacou agora o que é loopback? Como qualquer outro nome de domínio, o Localhost também tem um endereço de IP. O endereço varia de 127.0.0.0 a 127.255.255.255. Mas, normalmente, é 127.0.0.1. Tentar abrir o IP 127.0.0.1 em uma conexão IPv4 vai resultar em um loopback. Você também consegue fazer um loopback em uma conexão IPv6 digitando :1. Fato curioso: a primeira parte do endereço de IP (127) é reservada apenas para loopbacks. Por essa razão, os protocolos TCP/IP reconhecem imediatamente que você quer contatar seu computador depois de inserir qualquer endereço que comece com esses números. É por isso que nenhum site pode ter um IP que comece com 127. E, se iniciada, essa ação vai criar uma dispositivo de loopback, que nada mais é do que uma interface virtual dentro do sistema operacional do seu computador. Qual o propósito de um Localhost? Como você já sabe o que é Localhost e como ele funciona, está habilitado para aprender o quê pode fazer com ele. Tirando seu significado simplista, o Localhost é bastante útil se você é um técnico de computador. Geralmente, os loopbacks oferecem três vantagens: Teste de Velocidade: Como um administrador de redes, você vai querer que todos os seus equipamentos e o TCP/IP estejam em plenas condições de uso. Você pode fazer um teste de conexão fazendo um ping para o Localhost. Se você usa o Windows, por exemplo, você abrir um comando prompt e digitar ping localhost ou ping 127.0.0.1. O teste vai mostrar o quão bem tudo é executado. E você pode fazer correções imediatamente caso encontre algum problema. Teste de Programa ou Aplicação Web: Contatar o Localhost também serve ao propósito de desenvolvedores. Especialmente se eles estão criando aplicações para web ou programas que exigem conexão com a internet. Se você ainda se lembra, seu sistema operacional se torna um servidor simulado assim que o loopback é acionado. Além disso, você pode carregar os arquivos que precisar de um programa em um servidor e checar se tudo está funcionando. Bloqueio de Sites: Existe um outro truque bacana que você pode fazer usando o loopback: bloquear sites que não quer acessar. O loopback é bem útil se você quer impedir que seu navegador acesse sites maliciosos ou suspeitos. Porém, antes de aprender como isso funciona, você precisa saber qual é o host file em questão e o papel dele nesse contexto. Como você já sabe, todos os sites têm um endereço de IP. Você consegue acessar um site porque o DNS (Domain Name System) procura pelo endereço de IP apropriado no qual um site está registrado. O seu computador ajuda a melhorar esse processo armazenando o arquivo do host para cada site que você visita. Este arquivo contém o IP e o nome de domínio de um site. Você pode mudar o endereço de IP para 127.0.0.1 e o site que contém o arquivo host que você modificou vai redirecionar você para um localhost. Um exemplo disso pode ser um admin de um computador de uma empresa bloquear acesso a um site. Conclusão Agora você entende que Localhost não é um mero termo técnico para o seu computador. Ele é um nome de domínio que permite que você que você faça testes e até mesmo consiga acessos restritos a alguns sites. Se você tem a pretensão de ser um técnico de TI, é crucial saber como usar um loopback de acordo com as suas necessidades. Créditos a Hostinger!
  21. DNS (Domain Name System) é um sistema que facilita a comunicação entre homens e máquinas. Os homens usam nomes para se identificar. Já os computadores usam números. E o DNS aparece nesse meio termo para combinar os nomes com os números dentro de uma lista específica. Você provavelmente pensou no aplicativo de Contatos do seu smartphone, certo? Basicamente, DNS é um sistema de bancos de dados distribuídos numa rede em que a principal função é traduzir a solicitação de certos hostnames para acessar números de IPs específicos que os computadores entendem. A informação sobre hostnames combinados com números específicos são mantidos em um diretório. Esse diretório é armazenado em servidores de nomes de domínio. Como funciona o DNS? Um DNS funciona aos passos e dentro de toda uma estrutura de grupos de DNS. Os passos começam com uma DNS Query, que nada mais é do que um pedido (query) por informação. Vamos usar um cenário em que você está procurando por informação usando um navegador. Nele, você digita o nome de um domínio qualquer (por exemplo, www.google.com). No começo, um servidor DNS vai procurar nos filehost (um arquivo simples de texto do sistema operacional responsável por mapear dos hostnames aos endereços de IP). Se nenhuma informação for encontrada, ele vai procurar no cache (um componente de hardware ou software que guarda dados temporariamente). Os lugares mais comum em que se armazenam dados em cache são os navegadores e em Provedores de Serviços de Internet (ISP – Internet Service Providers). O resultado desse passo simples é uma mensagem de erro se nenhuma informação ou dado estiver disponível. DNS Recursivo Em uma situação em que uma query (solicitação) é enviada de maneira recorrente (repetitiva), um servidor pode pedir a outros servidores para atender à solicitação em nome do cliente (o navegador). Isso é o que chamamos de DNS Recursivo. É como se ele fosse um agente que trabalha muito para fazer com que cada pedido de informação seja respondida. O esforço para conseguir essa informação inclui chamar a ajuda do Root DNS Server. Root Nameserver Também chamado de Root Nameserver, o Root DNS Server é o nível mais alto dentro da hierarquia do DNS. Ele não tem nenhum nome formal e é rotulado como uma linha vazia implícita. Para entender melhor, imagine como se ele fosse um banco de referência. Na prática, o DNS Recorrente repassa o pedido de acesso ao Root Nameserver. Então, o servidor responde à solicitação informando ao agente para ir a lugares mais específicos, que são os nomes de domínios de alto escalão do tipo TLD. TLD Nameserver Quando você quer acessar o Google ou o Facebook, você acaba acessando domínios com a extensão.com ao final deles. Este tipo de extensão é classificado como de alto escalão. Um servidor para este tipo de domínio é conhecido como TLD Nameserver. Ele é responsável por gerenciar todo tipo de informação de uma extensão de domínios comuns. Assim como na solicitação de informações sobre o www.google.com, o TLD .com, como uma mera delegação, vai responder à solicitação de um DNS resolver referenciando um Servidor DNS Autoritativo, também chamado de Nome de Servidor Autoritativo. Esse é o único que têm recursos originais para esse domínio. Nameserver Autoritativo Quando um DNS resolver encontra um nameserver autoritativo, é quando tudo acontece. O Nameserver Autoritativo tem todas as informações do nome de domínio a que ele serve. Ele pode dar um resolver recorrente para o endereço de IP que o servidor encontrou no registro. Como Mudar as Configurações de DNS para Um Domínio? Como você já aprendeu o que significa DNS, já pode partir para um trabalho mais manual. Mudar as configurações do protocolo DNS no seu painel de controle da Hostinger é simples. Você só precisa fazer o login no seu painel pela sua conta de hospedagem e acessar a opção Editor de Zona DNS na seção Avançado. No Editor de Zona DNS, você vai ver alguns registros de tipos de DNS que você pode editar, adicionar ou remover. Os tipos de registros de DNS são: A (Host) . Um registro básico de DNS onde você pode adicionar um novo Host, TTL (Time to Live) e Aponta Para. CNAME (Alias) . Um registro que serve como um alias para outro domínio, onde você pode adicionar um novo Host, TTL (Time to Live) e Aponta Para. MX (Mail Exchange) . O registro para identificar o servidor que trabalha com o seu email, onde você pode adicionar um novo Host, TTL (Time to Live) e Aponta Para. TXT (TextO) . O registro que permite que você tenha informações em texto, onde você pode colocar um novo Host, TTL (Time to Live) e Aponta Para AAAA (Registro de Endereço IPV6) . É o A Record (Registro A), só que para protocolos IPV6, onde você pode colocar um novo Host, IPV6 e TTL (Time to Live). NS (Nameserver) . É o registro do servidor DNS, onde você pode adicionar um novo Host, Valor TXT e TTL (Time to Live). SRV . É o registro para um tipo específico de dados em um DNS, onde você pode adicionar uma nova Prioridade, Nome, Peso, Porta, Aponta Para e TTL (Time to Live). Conclusão Parabéns! Você acabou de aprender o que é DNS (Domain Names System). E agora que já entende como essa tecnologia funciona, você também pode fazer algumas mudanças no seu painel de controle da Hostinger de acordo com as suas necessidades. Créditos a Hostinger!
  22. Ferramenta HIDE: O que é, quando e como usar?! O que é? Bom, para quem ainda não sabe o que é a ferramenta hide, vou tentar fazer uma breve explicação. Ela consiste em ocultar determinado link/conteúdo do posts, obrigando o membro a curtir o conteúdo para visualizar o que foi oculto. Sendo assim, ela estimula a interação e o reconhecimento do trabalho do outro, sendo benéfica para a comunidade ZikaGames. Exemplo de tópicos com a ferramenta hide no link: Tudo sobre/Download: DRIVER BOOSTER: https://zikagames.com/index.php?/topic/2929-tudo-sobredownload-driver-booster/ Tudo sobre/Download: CCLEANER: https://zikagames.com/index.php?/topic/2923-tudo-sobredownload-ccleaner/ Tudo sobre/Download: STEAM: https://zikagames.com/index.php?/topic/2950-tudo-sobredownload-steam/ Quando usar? Bom, vale a pena ressaltar que o uso excessivo desse recurso acaba poluindo a comunidade e indo contra a real intenção proposta por ele. Portanto, use a ferramenta hide apenas em tópicos importantes, ou de sua autoria, ou que você ache que seja indispensável o uso dessa ferramenta. Além disso, não use o hide no tópico todo, utilizando-o apenas em links ou em imagens específicas, evitando a poluição do post. Priorize o seu uso em tópicos de sua autoria, sendo as curtidas uma forma de agradecimento pelo conteúdo postado! Como usar? Observação: Para usar o hide é necessário ter pelo menos 25 posts na ZikaGames , ou seja, pertencer, no mínimo, ao rank de membro. Para usar é bem simples, basta seguir o código abaixo: [Conteúdo Oculto] Espero que tenham curtido essa novidade que foi sugerida pelo @Joker! Créditos ao ryzen!
  23. Como todos devem saber, APEX é um jogo no estilo Battle Royale publicado pela EA GAMES. Foi lançado no dia 4 de fevereiro, para PC (Origin), PS4 e XONE e já fez um grande sucesso! Para alguns, o jogo é uma mistura de FORTNITE, PUBG com heróis de personalidade assim como em OVERWATCH e TITANFALL. Agora, vou citar aqui cinco curiosidades do game! 1) TITANFALL sem Titãs Após o lançamento de Titanfall 2, em outubro de 2016, os desenvolvedores começaram a experimentar uma série de modos diferentes. Com a compra da Respawn pela EA e a ascensão de PUBG, os experimentos geraram o que se tornou Apex Legends, irmão mais novo da franquia Titanfall, com quem compartilha o universo. Apex desafia uma série de convenções dos Battle Royales: são 60 jogadores em vez de 100 que são divididos em esquadrões de três, além da capacidade de reviver os companheiros caídos. Durante as fases iniciais do desenvolvimento, a Respawn pensou em inserir os Titãs de Titanfall no jogo, mas o estúdio mudou de ideia. De acordo com a empresa, robôs gigantes removeriam a competitividade justa que gênero oferece, e para balanceá-los, seria necessário deixá-los tão fracos que perderiam seu propósito. 2) Lançamento surpresa Tradicionalmente, a EA faz propagandas dos títulos que pretende lançar ao mercado. Anthem, por exemplo, foi anunciado na E3 em 2017, pouco mais de um ano antes de sua estreia. Apex foi completamente diferente: o jogo se manteve um segredo bem guardado até pouco antes de chegar ao público. O mistério foi uma decisão calculada. O lançamento de um jogo gratuito com loot boxes incluídas, logo após a compra da Respawn pela EA, poderia gerar uma reação negativa antes mesmo do produto final estar pronto. Por isso, a Respawn queria deixar o jogo falar por si mesmo. O resultado foi bastante positivo. 3) Primeiro Torneio Oficial! Apex conquistou uma legião de fãs em tempo recorde. O primeiro torneio oficial do jogo, o Twitch Rivals, foi patrocinado pela Twitch TV e ocorreu em 12 de fevereiro, uma semana após o lançamento. A competição colocou streamers famosos como Tyler “Ninja” Blevins, Coby “dizzy” Meadows , Michael "shroud" Grzesiek e Guy “Dr. DisRespect” Beahm para competir por um prêmio total de US$ 200 mil (cerca de R$ 780 mil). 4) Favorito da Twitch O Twitch Rivals também deu a Apex o quarto maior número de horas assistidas em um único dia na Twitch. Em 12 de fevereiro, os fãs assistiram ao todo 8,4 milhões de horas do título. Nos dois dias antes, o Battle Royale da Respawn também fazia história na plataforma de streaming: contava com 6,9 e 7,1 milhões de horas assistidas, respectivamente, sem nenhum evento ativo. Os três primeiros lugares na Twitch pertencem ao já consolidado Counter Strike: Global Offensive (CS:GO). 5) Destruidor total de recordes! Em apenas três dias, o jogo atingiu dez milhões de jogadores totais.Na semana seguinte, esse número chegou a 25 milhões, incluindo dois milhões de jogadores simultâneos. No seu primeiro mês, o título já cativou 50 milhões de jogadores. Seu rival Fortnite, em contrapartida, atingiu dez milhões em duas semanas, demorou entre seis e 11 semanas para cruzar os 25 milhões e só atingiu 45 milhões quatro meses depois de seu lançamento. Conhece mais alguma curiosidade? Comente aqui! CREDITOS NotyPunch (Formatação) TechTudo (Texto)
  24. Infelizmente, ainda rola muita desinformação no cenário de games em geral. O que as vezes te deixa com um pé atras de fazer algo são os mitos criados pelos players. Hoje vou abordar alguns dos mais famosos mitos e desvendar se são "verdades" ou "mentiras": Baseado em testes meus, de amigos e de outros players. Minha resolução afeta Flashbang? Imagine que estou em 16:9, cai uma Flash bem no cantinho, se por acaso, na mesma situação, eu estivesse em uma resolução menor, essa Flash iria funcionar? Sua resolução não afeta de nenhuma maneira a Flashbang, você iria se cegar da mesma maneira. A M4A4 dá mais dano do que a M4A1s, pelo fato da A1s ter silenciador? Não! Ambas tem o mesmo dano. Esse mito foi forjado pois em alguns outros jogos de tiro, o Silenciador afeta no dano; porém no CS isso não se aplica! Se eu pular, ou virar pra trás quando a C4 for explodir, reduz o dano dela? Não. Nada que você vai fazer, como pular, virar de costas, ou ficar girando vai reduzir o dano; Apenas afaste-se o máximo que der. Se um inimigo tacar um Molotov no meu pé, eu fujo pulando ou andando normal? é verdade que pular reduz o dano do Molotov? Não, pular não te reduz o dano no Molotov. Muitas vezes pelo contrario, já que você demora mais pra sair da área dele. Duas granadas conseguem se colidir? Se sim, isso muda algo na direção delas? Não, elas se colidem sim, porém isso não afeta na direção dela. E nem quando você consegue atirar em uma granada no ar. É possivel de que um round competitivo acabe em Empate? Nunca. Agachar na hora do Spray diminui o recoil? Não! o seu recoil não diminui, você apenas ganha uma precisão extra, porém não melhora diretamente seu recoil. No CS:GO, existe a historia de tempo de bala, assim como existe no BF? Não. No CS:GO não existe tempo de bala e nem tempo de direção Um colete 100% cheio sofre menos dano do que um Colete 50% cheio? Não. Se você estiver com colete, ele vai te proteger de qualquer maneira, independente da situação. Renove seu colete apenas se ele estiver abaixo de 38% Apertar QQ quando recarrega a arma (QuickSwitch/Suit/Bait) diminui o tempo de espera? E, é verdade que ele remove o Scope da AWP mais rapido? Sim, no tempo certo, você ganha entre 8 milesimos de diferença. Sim, o Scope da AWP e de outras Snipers somem quando você aperta QQ de maneira mais rapida do que fechar/abrir o scope. Duas Molotov's dão mais dano se estiverem na mesma área? Sim, elas dão aproximadamente 1,7x o dano. Agora não precisa mais fuzilar seu amigo por gastar" a Molotov dele. Duvidas? Comente aqui! Sugestões? Comente aqui! CREDITOS: NotyPunch (Formatação, Texto, Ideias, Pesquisa e testes) Baubledekmy (Testes e ideias) JoãoKaKa1998 (Testes e ideias)




×